#1: Cracolândia

capa-s01e01

Você também vai gostar de...

  • http://csgvinicius.wordpress.com Vinicius Gomes

    O feed no Pocket Casts está desatualizado. :/

    • adrianosbr

      Estranho, uso aqui também e apareceu o episódio no aplicativo hoje de manhã normalmente.

    • http://csgvinicius.wordpress.com Vinicius Gomes

      Eu assinei pelo feed que encontrei aqui no site hoje de manhã. Mas agora, pesquisei o podcast no app e achei o feed que funciona normalmente. Acho que precisa colocar o link certo no site, Adriano.

    • Miguel Nakajima Marques

      Aqui apareceu normal no feed

  • Miguel Nakajima Marques

    Gostei do novo formato! Sucesso e vida longa ao Debate de Bolso!
    Sobre o episódio:
    Como foi citado, situações extremas como a cracolândia criam um sentimento de sororidade e fraternidade entre os “participantes” que a rotina normal não gera. Um exemplo bem comum na nossa sociedade é o tempo em que as pessoas do sexo masculino têm que “servir o exército”. As dificuldades passadas naquele ambiente criam um senso de fraternidade e união que se estende para além do momento presente. Explico: Já vi muitas pessoas que ao conhecerem outras que também “serviram” se identificam e formam uma “amizade” instantânea pois, de acordo com elas “só quem serviu sabe como é”.
    Só quem viveu / vive na cracolândia sabe como é.

  • Tales

    Muito bom! Ouvi no carro com meus pais voltando de viajem e minha mãe falou que vocês são muito legais hahah (“quem são esses moços? o que eles fazem?”)

    Só achei que faltou um pouco aprofundar na questão higienista da ação que meio que se mistura ou até se sobrepõe à da especulação imobiliária. Esses dias tava estudando sobre a Revolta da Vacina e, mesmo sendo mais de 100 anos depois, essas duas questões estão presentes de forma muito semelhante na ação do poder público em relação ao estabelecimento da sociedade no espaço e às populações ‘indesejadas’. O triste é que no Brasil agente parece estar ainda muito longe de atingir uma institucionalidade que ponha em prática uma política pública urbanista mais eficaz e pragmática e não completamente vendida. O Haddad até que mesmo de forma meio atabalhoada conseguiu avanços muito interessantes com as ciclofaixas, o novo plano diretor e mesmo uma abordagem diferente em relação aos usuários.. Mas como estamos vendo parece que aqui agente tá fadado a dar um passo pra frente e depois 15 pra trás. É triste..

    Ah e também sobre as drogas, pra além do escapismo semelhante ao dos jogos que realmente é um componente dominante, eu acho que elas podem ter um elemento de potencializar capacidades, tipo você ter uma desenvoltura mais sociável depois de beber ou ter epifanias ouvindo música chapado de maconha. O problema é que a linha é muito tênue entre o consumo de boa e o vício autodestrutivo e entre você estar levemente embriagado mas de boa ou um bêbado insuportável passando vergonha.

    Abraços e sucesso