#15: Bullying

capa-s01e15

Você também vai gostar de...

  • This is ridiculous man

    Eu meio que sofri “bullying” na minha escola por um tempo, na minha epoca isso num tinha esse nome. Mas eu confesso que olhando em retrospecto eu era uma criança terrivelmente chata, a zuera, bullying, perseguição por mais que tenha sido dolorosa na epoca meio que construiu meu caráter e até meu senso de humor que é a grande característica da minha identidade. Ter sido zuado na escola nessa epoca permitiu que eu fosse mais seletivo com quem eu gastava meu tempo tentando construir uma amizade, e hoje, mais preparado pra lidar com pessoas ruins hoje, não guardo rancor de ninguém que me excluiu ou me bulinou por que eu reconheço parte da culpa disso.

    Na real eu tenho uma teoria: O cara só sofre bullying de verdade quando ele é uma pessoa muito chata. Eu já sofri e já cometi bullying, e o que eu observo é que isso principalmente rolava com os amiguinhos com uns assunto mais atrasado, ou os amiguinhos escandalosos demais. O cara quieto ou o cara esperto quase nunca era zuado, aparência aonde eu estudei também nunca foi um elemento exclusório, você não chegava num cara que você nunca trocou ideia e chamava ele de gordo, ou preto, ou feio, tinha que rolar uma amizade, ou uma animizade antes.

    Talvez essa agressividade não seja a maneira mais correta de se construir um caráter, e realmente ser excluido é profundamente doloroso, isso eu não estou questionando de forma alguma. Mas você cobrar de crianças de 6 a 16 anos maturidade pra perceber e combater isso, é pedir demais.

  • This is ridiculous man

    O bullying é combatido VIRGULA, numa escola publica no meio do cu do mundo, onde existem 50 alunos por sala e no minimo umas 40 salas na escola inteira, isso se torna impossível, em escolas particulares isso pode estar sendo combatido viementemente, mas na publica isso se perpetua e se multiplica

  • http://www.jaimeneto.com/ Jaime Neto

    Caramba, Danilo. Sério que você acha o Paul McCartney ruim ao vivo? Eu fui ao show dele em Recife, e fiquei surpreso como ele fez um show de 3 horas sem parar nem pra beber água, e sem parecer cansado em momento algum! Acho que ele está super bem, hein!

    Invejo você por ter ido ao show de Roger Waters, e do Arcade Fire…

    Ótimo episódio, como de costume! Continuem o bom trabalho! ^__~

  • http://www.jaimeneto.com/ Jaime Neto

    A gente tem aquela impressão de que “no meu tempo a gente lidava melhor com essa história de bullying (que tinha outro nome)”, e eu me pergunto o porquê disso.

    Imagino que a geração “mimimi” não sabe lidar muito bem com as frustrações, porque existe muita superproteção por parte dos pais, que tentam evitar ao máximo que o filho passe por situações desagradáveis e aprendam a lidar com elas. Evitam tanto que as crianças caiam, e quando caem são imediatamente erguidas, fazendo com que elas acabem não aprendendo a se levantar. Não entendem que é preciso se sujar, ter contato com a terra e a sujeira para que criem anticorpos. Ganham o que querem por uso da birra, do choro, e não aprendem a merecer o que ganham, nem a cuidar do que ganharam, e assim passam a não dar valor ao que têm.

    E como reagem pessoas mimadas dessa forma diante de uma situação em que não têm controle? Mais birra, reações físicas, quando têm algo na mão arremessam, quando têm acesso a uma arma… já sabemos…

    A meu ver, temos uma geração mimada por pais que por sua vez também foram mimados, e portanto não sabem como orientar os filhos e torná-los resistentes às provocações, às frustrações e aos obstáculos da vida. E quando se vêm numa situação em que não sabem como passar por cima desses obstáculos sozinhos, querem destruí-los e passar através deles!

    E aí? O que acham? 😉